Domingo, 19 de Fevereiro de 2006

Impressões sobre um temporal e um apagão...

Saí de casa "na última" como diz o meu pai. Realmente esta tarde não me apetecia nada sair devido às condições atmosféricas que se faziam sentir: ventos fortes e chuva. Mas precisava mesmo de arranjar um livro para fins profissionais. Tentei o centro comercial mais perto de casa e, pela primeira vez, estacionei o carro no parque de estacionamento subterrâneo, coisa que sempre abominei fazer pela sensação claustrofóbica e labirintica que me causa. Não encontrei o livro e a meio do percurso de regresso para casa, já debaixo de uma grande chuvada, trovoada e sei lá mais o quê em ada, lembro-me de fazer um desvio até à casa de um familiar para pedir emprestado o livro.
Entretanto, as luzes da estrada apagam-se. Chego à casa dos meus familiares e não têm electricidade. Emprestam-me um livro, trocamos dois dedos de conversa, dirijo-me ao carro com o vento a empurrar os pingos de chuva para cima de mim. Estaciono o carro à porta de casa, mas, literalmente, dada a escuridão "enfio a pata na poça". Dou graças por a luz do telemóvel me alumiar para encontrar a chave correcta e inseri-la na fechadura. O apagão é geral.
Reparo então que estou molhada e sinto necessidade de um duche quente. Não há luz e embora as mãos saibam o que devem fazer, há o risco de me enganar no frasco por isso não posso tomar duche às escuras. Não encontro as velas que se costumam usar quando há corte da electricidade e de repente lembro-me de umas velinhas que foram compradas por altura do Natal e de umas velas aromáticas que sobraram do tempo em que tinha uma tara por velas desse género. Acendo várias, levo para a casa de banho e tomo duche à luz das velas. Entretanto a luz regressa, apago e guardo as velas e a luz foge de novo, acendo de novo as velas, e a luz volta e a luz vai e isto repete-se várias vezes a ponto de terminarmos o jantar à luz das velas. Já não me lembro da quantidade de vezes que apagámos e acendemos as velas, da quantidade de vezes em que interrompi a secagem do cabelo, das tentativas frustradas do meu pai para fazer uso da máquina de café, das vezes que liguei o interruptor quando não havia electricidade e de como este episódio me acabou por divertir muitíssimo.
publicado por impressoesdigitais às 01:24
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2006 às 11:37
Bom... mas no meio disso, essa descrição de um duche à luz das velas.... Pareceu-me bem...luis
(http://bloquito.blogs.sapo.pt)
(mailto:luismpcardoso1@sapo.pt)

Comentar post

Impressões

anonimacto

aveiro

avó

comédia da vida

dúvidas e mudanças

episódios

famílias de hoje

felinas

grandes portugueses

impressões poéticas

mercado negro

natal

novas oportunidades

novo ciclo

poesia

poéticas

prémios

referendo

reflexões

teatro

televisão

viagens

todas as tags

Patrocínio

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Impressões sobre casament...

Impressões sobre casament...

Impressões sobre um selo

Impressões sobre mudanças...

Impressões sobre 2008

Impressões natalícias

Impressões sobre outra ma...

Impressões sobre novos de...

Impressões teatrais

Impressões sobre "A Coméd...

links

Impressões solidárias

Carolina

arquivos

Agosto 2010

Dezembro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Runas
blogs SAPO

subscrever feeds