Domingo, 12 de Fevereiro de 2006

Impressões sobre trabalho

Dizem que o trabalho dignifica o homem. Sem dúvida que tal é verdade. O problema é quando o trabalho não oferece as condições para que essa dignidade humana se instale.
Toda a gente já deve ter ouvido falar do problema dos emigrantes que vão para a Holanda trabalhar e são sujeitos a uma situação de quase escravidão, vivendo em condições miseráveis, tudo porque quiseram procurar uma vida melhor ou garantir a sua subsistência. Mas a exploração do trabalhador não se resume ao problema da emigração: são muitos os locais onde o trabalho não respeita o homem.
Por exemplo, sei de alguém que se dedica de corpo e, posso mesmo dizer, alma ao trabalho que executa. Todos os dias cumpre mais de 10 horas de trabalho, sem que lhe paguem qualquer hora extraordinária, sem receber qualquer compensação que seja ou uma mera palavra de agradecimento. Há trabalho para fazer e essa pessoa tem de o executar, porque se não o fizer é repreendida por tal e ninguém se importa que ela tenha a seu cargo o trabalho de duas pessoas. E mesmo depois de deixar o local de trabalho, este persegue-a, vem muitas vezes preso à sua pele, entranhando-se no seu cérebro quase ao ponto de ser a única ideia que a assola.
Outra pessoa que também me é muito chegada, vive uma situação laboral muito complicada há pouco mais de um ano. Depois de ter estado um longo período desempregada, surgiu-lhe um emprego no qual depositou todas as suas esperanças. No entanto, foi confrontada com um ambiente de trabalho hostil, tudo porque uma colega a via como uma ameaça. O tempo foi passando e as coisas não foram melhorando. Tentou escapar, tenta escapar mas vivendo numa zona onde o trabalho escasseia, ainda não encontrou uma porta de saída. E o trabalho, que lhe garante a subsistência, vai minando-a aos poucos, vai-lhe corroendo a vontade de viver.
Podemos perguntarmo-nos porque não deixam estas pessoas o emprego que tanto mal lhes faz. Mas se estivéssemos nas suas peles entenderíamos que não é fácil, que apesar de mau aquele trabalho lhes oferece um mínimo de garantia de sobrevivência, e a falta de alternativas ou o pensar que elas não existem, vão criando uma espécie de polvo cujos tentáculos se tornam cada vez mais fortes e atrofiantes, ao ponto de, de certa maneira, as encarcerarem numa prisão.
publicado por impressoesdigitais às 00:12
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 15 de Fevereiro de 2006 às 12:38
Não sei se conheço algum desses dois exemplos, mas se sim, dá-lhe um abraço e força! É nessas alturas que temos que ser egoístas e pensarmos SÓ em nós. Resguardarmo-nos. Mas também sei que até a armadura mais forte quebra debaixo de uma chuva inesgotável de flechas...luis
(http://bloquito.blogs.sapo.pt)
(mailto:luismpcardoso1@sapo.pt)

Comentar post

Impressões

anonimacto

aveiro

avó

comédia da vida

dúvidas e mudanças

episódios

famílias de hoje

felinas

grandes portugueses

impressões poéticas

mercado negro

natal

novas oportunidades

novo ciclo

poesia

poéticas

prémios

referendo

reflexões

teatro

televisão

viagens

todas as tags

Patrocínio

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Impressões sobre casament...

Impressões sobre casament...

Impressões sobre um selo

Impressões sobre mudanças...

Impressões sobre 2008

Impressões natalícias

Impressões sobre outra ma...

Impressões sobre novos de...

Impressões teatrais

Impressões sobre "A Coméd...

links

Impressões solidárias

Carolina

arquivos

Agosto 2010

Dezembro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Runas
blogs SAPO

subscrever feeds