Domingo, 18 de Dezembro de 2005

Impressões soltas 3

#1#

Para quem andava com dificuldade em entrar no espírito natalício, acabei por me deixar contagiar bastante por ele. O lado consumista ajudou: ir às lojas, ver os enfeites, as músicas de Natal... e aquela ideia de andar à procura da prenda perfeita para agradar àquela pessoa, a harmonia familiar que se tem vindo a sentir cá em casa e as pequenas notas de humanidade e de simpatia que tenho recebido de desconhecidos e quase desconhecidos, que me dão a passagem na fila para a caixa ou na estrada, que me vêm trazer o aquecedor à sala onde estou a dar explicações e ainda se dão ao trabalho de o ligar... Como é bonito o Natal!

#2#

Elogios é a melhor coisa que me podem oferecer, principalmente quando vejo neles o reconhecimento do meu valor e do meu esforço. «Tens feito uma evolução extraordinária! Nota-se bem a diferença. Tens presença e tens voz.» foi o elogio que me fez andar com um sorriso nos lábios esta semana. Pudera, eu estou a adorar as aulas de teatro. A minha mãe não entende esta minha ideia do curso, perguntou-me o que é que aquilo me vai trazer de útil. Ela nem imagina o bem que as aulas me fazem, como me têm ajudado na minha vida profissional e pessoal e como eu adoro fazer parte daquele grupo.

#3#

Ser-se aluna e professora ao mesmo tempo dá-nos uma perspectiva diferente das coisas. Ao estar no papel de aluna, tenho tendência a solidarizar-me e a entender melhor a professora. Enquanto professora, recordo-me do meu papel de aluna e entendo melhor as dificuldades deles e percebo o que lhes posso e não exigir.

#4#

Sou madrinha desde os 14 anos. A minha afilhada, actualmente com 17 anos, escolheu-me aos cinco anos para madrinha. É uma rapariga afortunada a quem não falta nada, excelente aluna, uma adolescente cheia de vida. Apesar de morarmos perto uma da outra, passamos semanas sem nos vermos, mas ela sabe que pode contar sempre comigo.
Agora tenho um novo afilhado de 10 anos que mora muito longe de mim: em Moçambique. Tem dois irmãos, vive numa casa sem electricidade, luz ou casa de banho Não o conheço, dele apenas sei dados muito gerais e possuo uma fotografia. Como me tornei madrinha dele? Aderi a um programa de apadrinhamento à distância do Centro de Cooperação e Desenvolvimento propondo-me a contribuir mensalmente com uma quantia que vai providenciar a uma criança as necessidades básicas diárias para que viva e possa frequentar a escola. Quem leu o meu exame de consciência, terá reparado que eu afirmei que se puder contribui para melhorar a vida de alguém, isso tornar-me-á feliz. Ajudar este menino é contribuir para dar um significado à minha vida.
Se quiserem saber mais sobre este programa visitem o site http://www.ccspt.org/.

#5#

Ontem levei a minha melhor amiga a almoçar fora. Fui buscá-la ao trabalho e depois fomos a um centro comercial que estava apinhado de gente. A muito custo lá conseguimos arranjar uma mesa para colocarmos os nossos tabuleiros. Depois démos uma volta pelo centro. Ela precisava de uma camisola para usar naquela noite. Não encontrámos a camisola e, entretanto, tinha terminado a hora de almoço. Fui levá-la ao trabalho e acabei por passar a tarde à procura da camisola que ela necessitava. À noite tive o prémio: um grande sorriso da minha mãe ao ver a camisola. As mães são capazes de fazer tudo por nós, mas os filhos também lhes sabem mostrar que o sabem fazer.

#6#

Não sabendo se terei tempo para aqui voltar, aproveito já para desejar um Natal muito feliz e um excelente 2006.





publicado por impressoesdigitais às 12:52
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 19:28
quando fores actriz famosa, não te esqueças de avisar! mas ter aulas de teatro deve ajudar bastante na nossa profissão! Eu é que não era capaz porque sou muito tímida, tadinha de mim... Se não nos "virmos" por aqui, um feliz natal também para ti!
E ainda bem que a vida te está a correr bem: que continue assim, são os meus votos!saltapocinhas
</a>
(mailto:mapsl@sapo.pt)
De Anónimo a 18 de Dezembro de 2005 às 19:53
Em relação às aulas de teatro... O grande receio de se ingressar num curso "diferente" é o de não se vir a aprender nada. E, pelos vistos, já tiveste retorno do ingresso. Óptimo. Eu também tive expressão dramática durante o curso. Era uma cadeira anual, até. Mas nem eu nem ninguém aprendemos nada. Uma cadeira que, para mim, era importantíssima para "alguéns" que seriam professores. Tinha colegas minhas que lhes teria feito Maravilhas mandar um berro numa peçazinha qualquer improvisada... Enfim! Aproveita bem o que isso te der.luis
(http://bloquito.blogs.sapo.pt)
(mailto:luismpcardoso1@sapo.pt)

Comentar post

Impressões

anonimacto

aveiro

avó

comédia da vida

dúvidas e mudanças

episódios

famílias de hoje

felinas

grandes portugueses

impressões poéticas

mercado negro

natal

novas oportunidades

novo ciclo

poesia

poéticas

prémios

referendo

reflexões

teatro

televisão

viagens

todas as tags

Patrocínio

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Impressões sobre casament...

Impressões sobre casament...

Impressões sobre um selo

Impressões sobre mudanças...

Impressões sobre 2008

Impressões natalícias

Impressões sobre outra ma...

Impressões sobre novos de...

Impressões teatrais

Impressões sobre "A Coméd...

links

Impressões solidárias

Carolina

arquivos

Agosto 2010

Dezembro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Runas
blogs SAPO

subscrever feeds